21 de maio de 2019

Transporte de resíduos: 5 práticas para operação logística

Quando se fala em transporte de resíduos, é necessário considerar não apenas a legislação de transportes, mas a vasta Lei Ambiental que também rege a prática. A operação logística é desafiadora e conciliá-la com todo o aparato legal sobre transporte de resíduos é um passo necessário.

Vale lembrar que a maioria dos itens obrigatórios por lei são, antes de burocráticos, fundamentais para o cuidado com o meio ambiente, a saúde dos profissionais envolvidos e as consequências negativas a serem evitadas em casos de acidentes. 

É importante lembrar também que essas regras existem em todas as áreas. Medicina, Direito, Jornalismo são alguns exemplos que podem ser citados.

Para ajudar no controle do transporte de resíduos, vamos apresentar pontos para ficar atento e também 5 práticas indicadas para que a operação logística dê bons resultados. Quer conferir tudo? É só continuar a leitura!

O que diz a legislação sobre transporte de resíduos?

Pela complexidade e extensão das legislações ambientais, muitas empresas acabam não se atentando a ações necessárias para que os funcionários envolvidos no processos estejam dentro do permitido e indicado.

Porém, deixar de lado pontos obrigatórios do processo pode gerar prejuízos aos envolvidos e também à empresa de diferentes formas (financeira e judicialmente, por exemplo). Confira agora mais sobre o que diz a legislação para a prática do transporte de resíduos que vão ajudar na operação logística:

Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) rege toda movimentação residual que ocorra em estradas brasileiras. Ao ser promulgada pela Lei nº 12305/2010 todos os quesitos incluídos na política tornaram-se obrigatórios a motoristas, frotas e empresas envolvidas na operação logística. A Lei é bastante extensa e é fundamental que seja conhecida para que a empresa esteja adequada às práticas permitidas e proibidas.

NBR 13221

A Norma Brasileira 13221, em vigor desde 2010 e alterada em 2017, foi editada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e aplicada pela Comissão Nacional de Meio Ambiente e estabelece regras e procedimentos de minimização dos danos ao meio ambiente e à saúde humana a partir do transporte de resíduos. Entre outras definições, rege o acondicionamento de materiais, a liberação de transportes a partir de licenciamento específico da empresa e o uso de equipamentos.

NBR 7500 para identificação de materiais

A Norma Brasileira 7500 regula a identificação de materiais para o transporte terrestre independente dos meios – e envolve a movimentação de resíduos. Sua aplicação inclui regras extensas sobre dimensionamento de identificações, citando riscos e cuidados para movimentação, armazenamento e outros procedimentos.

5 práticas indicadas para o transporte de resíduos

Com uma legislação exaustiva, talvez você fique perdido em tantas ações necessárias. Para ajudar, listamos 5 medidas para você começar a colocar em prática hoje mesmo. A partir delas, é possível manter suas operações em conformidade com a legislação vigente e promover produtividade e redução de custos da sua operação logística. Confira:

1. Faça rastreamento de frota

Em qualquer circunstância de transporte o rastreamento de frota já é indispensável para controle de operação e especialmente para segurança de motorista e carga. Quando se fala de transporte de resíduos, a importância de rastreamento e cuidado é multiplicada – tanto porque a legislação pede cuidados especiais, quanto porque principalmente com resíduos perigosos o cuidado é fundamental para a segurança coletiva.

2. Promova manutenção preventiva

A manutenção no cenário de transporte de resíduos não inclui apenas o cuidado com o veículo em si, mas com todos os equipamentos que fazem parte da operação logística. Embalagens, suportes, ferramentas de uso e todos os outros itens devem estar em plena capacidade de utilidade e sem apresentar avarias que comprometam o processo. 

É importante ressaltar que quando se fala em manutenção preventiva não se considera apenas a redução de custos possível, mas a redução de riscos inerentes ao uso de equipamentos sem condição de uso.

3. Use fichas de emergência para produtos perigosos

A legislação brasileira considera certos resíduos de maior periculosidade ao meio ambiente e à vida humana. Por isso, estabelece que tais produtos ao serem transportados sejam acompanhados de fichas que indiquem o procedimento correto em casos de emergência; exceto quando há legislação específica, a ficha deve conter basicamente os seguintes itens:

  • Informações completa sobre os resíduos de acordo com a Portaria 204 do Ministério dos Transportes.
  • Informações empresariais acerca do gerador, do transportador e do receptor dos resíduos.
  • Informações de contato das pessoas a serem notificadas em casos emergenciais.

4. Execute a descontaminação de equipamentos

É responsabilidade do gerador dos materiais a descontaminação dos equipamentos envolvidos no processo – e apenas equipamentos devidamente descontaminados podem legalmente ser utilizados. Além disso, o processo de descontaminação deve ser feito em espaços previamente aprovados pelos órgãos competentes em questão.

Vale lembrar que os receptores de materiais devem rejeitar o recebimento de materiais residuais que não estejam devidamente acompanhados da confirmação de descontaminação.

5. Adeque-se à legislação local

Não basta conhecer as Normas Brasileiras para transportes de resíduos em geral. Dependendo do estado ou cidade, e até mesmo dos diferentes meios de transporte, há legislações locais e específicas que devem ser respeitadas e que incluem inclusive horários e dias de semana. A operação logística deve levar em conta o cuidado com essas questões também para evitar problemas legais e judiciais na esfera local.

Quer reduzir custos de sua frota?

Os custos que envolvem uma operação logística, principalmente de transporte de resíduos, são muitas vezes altos – mas não podem ser caros. Reduzir custos de frota é uma tarefa desafiadora, mas possível através de práticas centradas e focadas da equipe gestora.

Para te ajudar, preparamos um material com 7 segredos para reduzir custos de frota que você pode ler agora mesmo e começar a colocar em prática na sua empresa.

A otimização constante dos processos logísticos de sua empresa não é um custo, mas um investimento de retorno certeiro na qualidade, segurança e gestão do negócio em todos os aspectos.